website statistics O Espião Português - PDF Books Online
Hot Best Seller

O Espião Português

Availability: Ready to download

E se toda a sua vida, tudo aquilo em que acredita, não passar de uma mentira? O que faria? Estocolmo, Suécia. Encerramento da Presidência da União Europeia. Quando André Marques-Smith, o jovem director do Gabinete de Informação e Imprensa do Ministério dos Negócios Estrangeiros português é enviado à capital sueca, está longe de imaginar que aquele será um ponto de viragem na E se toda a sua vida, tudo aquilo em que acredita, não passar de uma mentira? O que faria? Estocolmo, Suécia. Encerramento da Presidência da União Europeia. Quando André Marques-Smith, o jovem director do Gabinete de Informação e Imprensa do Ministério dos Negócios Estrangeiros português é enviado à capital sueca, está longe de imaginar que aquele será um ponto de viragem na sua vida. Ao serviço da Cadmo, a agência de espionagem semigovernamental para a qual secretamente trabalha, recupera a primeira parte de um grupo de documentos pertencentes a um investigador russo já falecido. Mas quando regressa a Portugal, tudo muda. Uma nova força obteve a segunda parte do projecto e, de uma forma violenta e aterrorizadora, resolveu mostrar ao mundo que está na corrida pelos estudos do cientista. Por entre os cenários reais de cidades como Estocolmo, Roma, Viena, Londres e Lisboa, a luta pelo inovador projecto começa, os disfarces sucedem-se, as missões multiplicam-se. E, enquanto é forçado a lidar com os condicionalismos de uma vida dupla, André vê-se inesperadamente envolvido num mundo de mentiras e traições; o mesmo que o levará a fazer uma descoberta que poderá mudar toda a Humanidade. Vencedor do Prémio Literário Note! 2012, O Espião Português funde elementos tradicionais da ficção de espionagem com uma abordagem inovadora, intimista e sofisticada. Thriller intenso e vertiginoso, ode à família, amizade e amor, este é um romance imprevisível e contemporâneo ao qual não deixará de ficar indiferente.


Compare

E se toda a sua vida, tudo aquilo em que acredita, não passar de uma mentira? O que faria? Estocolmo, Suécia. Encerramento da Presidência da União Europeia. Quando André Marques-Smith, o jovem director do Gabinete de Informação e Imprensa do Ministério dos Negócios Estrangeiros português é enviado à capital sueca, está longe de imaginar que aquele será um ponto de viragem na E se toda a sua vida, tudo aquilo em que acredita, não passar de uma mentira? O que faria? Estocolmo, Suécia. Encerramento da Presidência da União Europeia. Quando André Marques-Smith, o jovem director do Gabinete de Informação e Imprensa do Ministério dos Negócios Estrangeiros português é enviado à capital sueca, está longe de imaginar que aquele será um ponto de viragem na sua vida. Ao serviço da Cadmo, a agência de espionagem semigovernamental para a qual secretamente trabalha, recupera a primeira parte de um grupo de documentos pertencentes a um investigador russo já falecido. Mas quando regressa a Portugal, tudo muda. Uma nova força obteve a segunda parte do projecto e, de uma forma violenta e aterrorizadora, resolveu mostrar ao mundo que está na corrida pelos estudos do cientista. Por entre os cenários reais de cidades como Estocolmo, Roma, Viena, Londres e Lisboa, a luta pelo inovador projecto começa, os disfarces sucedem-se, as missões multiplicam-se. E, enquanto é forçado a lidar com os condicionalismos de uma vida dupla, André vê-se inesperadamente envolvido num mundo de mentiras e traições; o mesmo que o levará a fazer uma descoberta que poderá mudar toda a Humanidade. Vencedor do Prémio Literário Note! 2012, O Espião Português funde elementos tradicionais da ficção de espionagem com uma abordagem inovadora, intimista e sofisticada. Thriller intenso e vertiginoso, ode à família, amizade e amor, este é um romance imprevisível e contemporâneo ao qual não deixará de ficar indiferente.

30 review for O Espião Português

  1. 4 out of 5

    Ipsis

    Foi a minha estreia a ler este autor e fiquei agradavelmente surpreendido. Uma história excelente, com uma escrita,aqui e ali, algo sufocante, com suspense e nem uma história de amor lá faltou. Até nisso o autor surpreendeu. Fugiu ao clichê do amor cor-de-rosa e do "foram felizes para sempre". Personagens reais e pessoas reais... deixou de lado as histórias rebuscadas e conseguiu adaptar tudo à realidade e ao quotidiano português. Para os produtores e realizadores portugueses que por vezes gastam r Foi a minha estreia a ler este autor e fiquei agradavelmente surpreendido. Uma história excelente, com uma escrita,aqui e ali, algo sufocante, com suspense e nem uma história de amor lá faltou. Até nisso o autor surpreendeu. Fugiu ao clichê do amor cor-de-rosa e do "foram felizes para sempre". Personagens reais e pessoas reais... deixou de lado as histórias rebuscadas e conseguiu adaptar tudo à realidade e ao quotidiano português. Para os produtores e realizadores portugueses que por vezes gastam rios de dinheiro a gravar novelas e afins (que também devem ter o seu espaço), deixo aqui a sugestão de um argumento para a realização de uma excelente série e que até podia passar em horário nobre. Fica a Dica! :)

  2. 4 out of 5

    Cata

    http://p-encadernadas.blogspot.pt/201... http://p-encadernadas.blogspot.pt/201...

  3. 5 out of 5

    Márcia Balsas

    Lido em dois dias. Há muito que não lia tão compulsivamente, e este “Espião Português” veio mesmo a calhar numa fase em que cada leitura estava a demorar muito tempo. Fases estranhas em que as páginas demoram a passar, em que a concentração é fraca porque há demasiadas coisas em que pensar. Então nada como um livro envolvente e cheio de acção, absorvente, de modo a sugar toda a atenção, e deixar de parte aquelas chatices do dia-a-dia, que não interessam nada, que não matam mas moem. No sábado abr Lido em dois dias. Há muito que não lia tão compulsivamente, e este “Espião Português” veio mesmo a calhar numa fase em que cada leitura estava a demorar muito tempo. Fases estranhas em que as páginas demoram a passar, em que a concentração é fraca porque há demasiadas coisas em que pensar. Então nada como um livro envolvente e cheio de acção, absorvente, de modo a sugar toda a atenção, e deixar de parte aquelas chatices do dia-a-dia, que não interessam nada, que não matam mas moem. No sábado abri a primeira página e entrei na vida do André. Ou ele entrou na minha, não sei, porque enquanto a leitura durou, ou estava a ler ou a pensar no que iria passar-se a seguir. Queria sempre saber mais. O livro está bem pensado e bem estruturado, cumpre o seu objectivo, é um claro “page-turner”, e mesmo nos capítulos mais longos o entusiasmo não esmorece, até porque é nesses que se passam os momentos mais empolgantes, são picos em que me deixei levar completamente pela história e repetia para mim mesma: “só mais uma página”! E, página após página, cheguei rapidamente ao final (segunda-feira), por um lado pensando porque ainda não tinha lido este livro, mas ao mesmo tempo concluindo que foi melhor assim, já que no dia 6 de Maio a leitura pode seguir para o segundo volume, “A Espia do Oriente”. É difícil escrever sobre este livro. Não porque não tenha muito a dizer, mas porque corro o risco de revelar demais, o que é muito pouco conveniente para um livro de mistério, em que se deseja, pelo menos eu desejo, ser surpreendida. Acima de tudo senti um grande cuidado na construção da personagem do André, foi criado para que gostem dele, sofram por ele, é um tipo bem-parecido, inteligente, atlético, com excelentes princípios, apesar de enfim, ser espião e poder matar e magoar pessoas. Mas isso interessa pouco quando há a dita empatia, o André é o herói e não há mais conversa, principalmente, desconfio eu, para as leitoras femininas mas sensíveis, enfim, aos encantos descritos. Bem jogado e bem conseguido por parte do autor, fica tudo em brasa depois deste final em que…pois… é melhor não contar. Eu gostei de muitas coisas neste livro, se calhar até gostei de tudo, que é uma coisa muito rara, mas o que gostei mesmo foi de ler um livro de espionagem e mistério de alto nível escrito por um autor português. É de apreciar, apoiar e, acima de tudo, ler. Ler com prazer na nossa língua linda, tantas vezes maltratada, subestimada e rejeitada para o que vem de fora. Preconceitos parvos de quem vai atrás da fama e dos números. E querem mesmo saber porque é que há tanto tempo não escrevia uma opinião sobre um livro de policial/mistério/espionagem? Porque em todos os que peguei recentemente não me dei ao trabalho de chegar ao fim. É pena. Mas o entusiasmo de uma leitura como esta acaba por compensar e apagar essas páginas perdidas. E pronto, leiam lá que se não fosse bom eu não vinha para aqui dizer, já sabem do que a casa gasta.

  4. 4 out of 5

    Silvéria

    OPINIÃO DEZEMBRO 2015 Já tinha lido este livro há quase dois anos. Gostei um pouco mais desta vez, talvez por estar mais atenta! Opinião mais detalhada em breve! OPINIÃO FEVEREIRO 2014 https://thefondreader.wordpress.com/2... Parti para este livro com algumas expectativas: primeiro, porque o livro me foi oferecido por uma pessoa muito querida para mim e queria gostar dele; depois porque, tal como podem ver na capa, este livro recebeu o Prémio Book.it 2012 e há sempre aquela tendência para achar que OPINIÃO DEZEMBRO 2015 Já tinha lido este livro há quase dois anos. Gostei um pouco mais desta vez, talvez por estar mais atenta! Opinião mais detalhada em breve! OPINIÃO FEVEREIRO 2014 https://thefondreader.wordpress.com/2... Parti para este livro com algumas expectativas: primeiro, porque o livro me foi oferecido por uma pessoa muito querida para mim e queria gostar dele; depois porque, tal como podem ver na capa, este livro recebeu o Prémio Book.it 2012 e há sempre aquela tendência para achar que se recebeu um prémio é porque é bom. Mas este livro tem um problema… só depois de termos chegado mais ou menos a meio é que começamos a ficar mesmo dentro da história, a simpatizar com algumas personagens e a odiar tanto outras que, pessoalmente, cheguei ao ponto de começar a falar sozinha, tipo “olha que filho da mãe”. Resumidamente, este livro é um thriller (confesso que não é um género literário do qual eu conheça muitos exemplares portugueses) que conta a história de André Marques-Smith, funcionário do Ministério dos Negócios Estrangeiros português e que, em paralelo, é espião da Cadmo, tal como já foram os seus pais. É, portanto, um homem com vida dupla, sendo que neste livro, além do paralelismo funcionário exemplar vs. espião, temos um André apaixonado por uma mulher que é uma bitch. A missão de André é encontrar as quatro partes de uma arma, algo ainda mais difícil porque uma outra agência quer fazer a mesma coisa. Pelo meio, André vai perceber que os seus amigos/colegas espiões podem não ser tão confiáveis assim e vai perceber que a sua própria família lhe esconde algo terrível (e esta parte sim, para mim foi ainda mais mirabolante que o facto de termos espiões enfiados no MNE português, mesmo isto sendo um livro de ficção). Como ponto positivo aponto o facto de os diálogos serem muito reais, sobre coisas do dia-a-dia como “vai pôr a mesa” e de fazer referência a várias marcas, programas de tv e outros aspectos tipicamente portugueses, bem como filmes ou músicas que existem e que podemos ir ver/ouvir. O final pareceu-me um pouco em aberto, mas depois percebi que a intenção do autor é escrever uma trilogia, então está perdoado e, mesmo não tendo ficado como um dos meus livros preferidos, vou procurar ler a continuação se ela entretanto aparecer! Podem ver mais informações no site do autor. Se o livro tivesse sido mais empolgante desde o início, certamente dar-lhe-ia uma classificação melhor!

  5. 4 out of 5

    Isa | Jardim de Mil Histórias

    Opinião completa no blogue: http://jardimdemilhistorias.blogspot.... Opinião completa no blogue: http://jardimdemilhistorias.blogspot....

  6. 4 out of 5

    Rosana Maia

    Para começar, tenho de agradecer ao Nuno Nepomuceno que gentilmente me cedeu este belo livro que agora se encontra na minha linda biblioteca :)! Por outro lado, também tenho de agradecer às meninas do FLAMES, uma vez que foi através delas que fiquei mesmo com vontade de ler e adquirir o livro. “O Espião Português”, como o próprio nome indica, é um romance de espionagem, o que por si só me deixou curiosa. Como já devem ter reparado, assim como só há uns tempos iniciei as minhas viagens nos thrille Para começar, tenho de agradecer ao Nuno Nepomuceno que gentilmente me cedeu este belo livro que agora se encontra na minha linda biblioteca :)! Por outro lado, também tenho de agradecer às meninas do FLAMES, uma vez que foi através delas que fiquei mesmo com vontade de ler e adquirir o livro. “O Espião Português”, como o próprio nome indica, é um romance de espionagem, o que por si só me deixou curiosa. Como já devem ter reparado, assim como só há uns tempos iniciei as minhas viagens nos thrillers, também me encontro ainda no início das viagens em policiais e livros de espionagem. E é muito bom começar em grande, com livros que nos deixam uma boa impressão do género e que nos fazem ficar curiosos e até ansiosos pela sua continuação. A obra dá-nos a conhecer André Marques-Smith, um agente duplo que trabalha simultaneamente para a Cadmo e para o Minstério dos Negócios Estrangeiros. Mas como uma vida de espionagem não teria piada se corresse tudo bem, também na vida do personagem principal surgem alguns problemas e desilusões inimagináveis. Como todos bem sabemos, nem tudo na vida é o que parece e é de congratular o autor pela maneira como o transmitiu. Confesso que de início estranhei um pouco a escrita do autor, bastante característica e que provavelmente um dia será inconfundível: repleta de frases curtas, que de certa forma ajudaram a construir o suspense e a rapidez dos acontecimentos, mas à qual ainda não estava familiarizada. Claro está que com o desenrolar da leitura me fui habituando a este traço de personalidade do autor. Para os leitores viciados em suspense, tenho de referir que a narrativa não é 100% suspense, no entanto, este facto não tira o valor ao livro. Mais uma vez, é de salientar a capacidade do autor de estabelecer um equilíbrio entre o suspense e os restantes acontecimentos essenciais à obra. E sendo um livro de espionagem repleto de suspense, desvendar mais sobre a história seria estragar a leitura do livro, pelo que não o vou fazer. No entanto, não posso deixar de dizer que a narrativa é bem mais do que espionagem, é bem mais do que suspense, é no fundo aquilo que quisermos que ela seja. Se por um lado é um livro com personagens características, com as respectivas características e feitios, também é um livro repleto de sentimentos dessas personagens. Posto isto, considero um prémio book-it merecido :) e digno de ser lido. Fico ansiosa pela sua continuação, não só porque como é óbvio quero saber o destino do André, mas porque ficou aqui a vontade de ler mais coisas de Nuno Nepomuceno. http://bloguinhasparadise.blogspot.pt...

  7. 5 out of 5

    Carla Soares

    Embora esteja escrito no presente, o que me obriga sempre a um período de adaptação, a leitura é extremamente fácil, quase compulsiva, graças a um excelente ritmo e ao protagonista. Começa mesmo no meio da acção e quase não tem momentos mortos, mantendo as personagens sempre em movimento, e André é bonito, atlético, inteligente, determinado, mas humano, com um forte sentido de família e amizade e um coração partido. Acho óptimo que seja um livro português, no sentido em que o protagonista é essen Embora esteja escrito no presente, o que me obriga sempre a um período de adaptação, a leitura é extremamente fácil, quase compulsiva, graças a um excelente ritmo e ao protagonista. Começa mesmo no meio da acção e quase não tem momentos mortos, mantendo as personagens sempre em movimento, e André é bonito, atlético, inteligente, determinado, mas humano, com um forte sentido de família e amizade e um coração partido. Acho óptimo que seja um livro português, no sentido em que o protagonista é essencialmente português, vive em Lisboa, tem amigos portugueses, trabalha para o Governo português. É refrescante, quase inédito, e o Nuno Nepomuceno conseguiu fazê-lo muito bem, sem exageros nacionais e numa intriga quase bondiana, o que só por si vale pelo menos uma estrela. A escrita é simples, directa e funciona bem. Consegui adivinhar bastante cedo o que se passava com André - qual era o segredo que lhe escondiam - o que não reduziu em nada o meu desejo de ler o resto, sobretudo para saber que destino lhe cabia. opinião completa em: http://monsterblues-cms.blogspot.pt/2...

  8. 5 out of 5

    Maria

    Desde que foi o Vencedor do Prémio Literário Note 2012 que O Espião Português figurava na minha wishlist. No entanto, por uma razão ou outra nunca se tinha proporcionado a compra do livro e a consequente leitura do mesmo. O que é certo é que fui adiando uma agradável leitura. Com a mudança para a Topbooks, Nuno Nepomuceno gentilmente ofereceu-me um exemplar do seu novo livro, com uma capa bastante mais atrativa, e parti para a sua leitura quase de imediato. É certo e sabido que gosto de policiais, Desde que foi o Vencedor do Prémio Literário Note 2012 que O Espião Português figurava na minha wishlist. No entanto, por uma razão ou outra nunca se tinha proporcionado a compra do livro e a consequente leitura do mesmo. O que é certo é que fui adiando uma agradável leitura. Com a mudança para a Topbooks, Nuno Nepomuceno gentilmente ofereceu-me um exemplar do seu novo livro, com uma capa bastante mais atrativa, e parti para a sua leitura quase de imediato. É certo e sabido que gosto de policiais, contendo eles crimes, espionagem ou intriga, pelo que era difícil não ficar indiferente a este André Marques-Smith, um espião português com uma vida intrigante. A trabalhar para a Cadmo, uma agência de espionagem ultra secreta na qual já trabalharam os seus pais e cujo um dos fundadores foi o seu avô, André levava uma vida completamente secreta. Opinião completa: http://marcadordelivros.blogspot.pt/2...

  9. 5 out of 5

    Mariana

    Quero anunciar publicamente que penso que alguém deveria multar o Nuno Nepomuceno por ter escrito uma história tão viciante e, com isso, ter interferido nas minhas tarefas diárias. A história de "O Espião Português" decorre a um ritmo tal que eu mal tive tempo para respirar entre páginas. E as reviravoltas... é melhor nem falar mais nisto ou então volto a arrepiar-me. Agora tenho que arcar com o sofrimento de esperar por um segundo livro para continuar a acompanhar o André em mais missões, revelaç Quero anunciar publicamente que penso que alguém deveria multar o Nuno Nepomuceno por ter escrito uma história tão viciante e, com isso, ter interferido nas minhas tarefas diárias. A história de "O Espião Português" decorre a um ritmo tal que eu mal tive tempo para respirar entre páginas. E as reviravoltas... é melhor nem falar mais nisto ou então volto a arrepiar-me. Agora tenho que arcar com o sofrimento de esperar por um segundo livro para continuar a acompanhar o André em mais missões, revelações e outros "ões" entusiasmantes que por certo aparecerão. Parabéns ao Nuno Nepomuceno por nos mostrar que em Portugal existem escritores capazes de escrever livros de espionagem de fazer inveja a qualquer escritor estrangeiro.

  10. 4 out of 5

    NoConforto Dos Livros

    Estava indeciso entre o 3 e o 4... Mas, como ainda é o primeiro livro, vou esperar pelo que os outros volumes vão trazer :) Gostei! (opinião em breve no blog) :)

  11. 4 out of 5

    Paulo Pires

    «Além de uma promissora carreira no Gabinete de Informação e Imprensa do Ministério dos Negócios Estrangeiros português, André Marques-Smith, mantém uma vida dupla aliciante como espião. Contudo nem tudo corre de feição a André, ele carrega um grande desgosto amoroso, que o condiciona e o afecta. Mas uma missão vai alterar o rumo das coisas. Mal ele sabe que esse desgosto amoroso será o mais pequeno dos seus problemas. E tudo que teve como certo até agora poderá não passar de uma mentira. Apesar «Além de uma promissora carreira no Gabinete de Informação e Imprensa do Ministério dos Negócios Estrangeiros português, André Marques-Smith, mantém uma vida dupla aliciante como espião. Contudo nem tudo corre de feição a André, ele carrega um grande desgosto amoroso, que o condiciona e o afecta. Mas uma missão vai alterar o rumo das coisas. Mal ele sabe que esse desgosto amoroso será o mais pequeno dos seus problemas. E tudo que teve como certo até agora poderá não passar de uma mentira. Apesar de esta ser a opinião do "Espião Português", não posso deixar transparecer nela o que já li do novo livro do autor "A espia do oriente". Num género não muito explorado em Portugal, Nuno Nepomuceno sobressai com uma escrita coerente, dinâmica, arrojada e muito apelativa. A história, como não podia deixar de ser, no mundo da espionagem, vive de muitos segredos, de ilusões, de momentos de tensão e muita, muita acção. Sou um curioso da "escrita criativa", como por cá lhe chamam, dos seus mecanismos, dos seus "truques", das suas laboriosas e intrincadas formas. Desde a ciência que nela habita à inspiração desenfreada e selvagem em que se baseia. Essa mistura única entre a intencionalidade cirúrgica e a casualidade da criatividade de uma obra deleitam-me, embriagam-me os sentidos. O livro não é apenas uma história, é antes um jogo entre o escritor e o leitor! Um jogo de promessas, jogo mudo de inteligência entre o prover e o receber, entre o condicionar a informação oferecida e oferece-la depois no momento e na dose certa. É acima de tudo um jogo de oportunidade na narrativa. Um jogo de tempos, como na musica, com a sua cadência própria, em que a arbitrariedade ganha contornos de intencionalidade. Ou seja, não chega ter o dom da escrita é necessário ter/dominar as técnicas da narrativa. E satisfaz-me poder reconhecer, neste livro, o uso muito eficaz desse jogo por parte do autor. E mais ainda, de poder reconhecer esta aptidão num autor nacional, ou em mais um. Acredito que o Nuno, com este livro, deu um grande impulso à ficção nacional, será um erro perder este impulso, não agarrar esta oportunidade... Este livro é uma porta aberta, um rumo seguro e audaz para a nossa ficção ganhar notoriedade além fronteiras. Quando muito se reclama da falta de talento, na falta de "tempero", na falta de alma da nossa escrita eis uma resposta pujante. Não a desperdicem... Gostava de ver esta trilogia publicada lá fora, gostava que o arrojo e convicção da escrita do autor fossem premiados com a publicação noutras línguas, noutros centros geográficos. Há qualidade de sobra para fazer destacar e rivalizar com os best-sellers internacionais. Com grandes doses de adrenalina o livro deixa-nos ofegantes no desfecho de cada nova cena! Este livro promete deixar os corações mais calmos sobressaltados! E julgo que é aqui que reside o segredo deste livro, a aposta na acção intensa e recorrente. Com muitas surpresas pelo meio o leitor é cativado a procurar respostas numa narrativa com cunho próprio, intensa e oportuna. Quanto aos personagens, gostei dos estereótipos usados em prol da narrativa. Gostei do ressentimento bem lusitano que veste algumas das personagens. Gostei da construção "natural", não forçada. André Marques-Smith, é-nos apresentado como um jovem inteligente, com um profissionalismo exímio. Os conflitos internos e externos não foram descuidados e à medida que vamos avançando vamos aprofundando e submergindo na personalidade do personagem. A história tem potencial, mas ficaram muitas perguntas no ar, como convém ..., e essas respostas é que vão ditar tudo o resto. Mais uma pequena nota (...) Ler mais em: Opinião: A Espia do Oriente de Nuno Nepomuceno |Livros e Marcadores

  12. 4 out of 5

    Tânia Tanocas

    Sexto livro lido no âmbito do desafio #lerosnossos, idealizado pela @claudiaosimoes... Quando adquiri este livro (ainda com a capa de edição do prémio BOOK.IT 2012), já tinha um feeling que seria um livro com “pernas para andar”… Mas, depois descobri que era o primeiro livro de uma trilogia, e como tantos caprichos de leitora, tenho um (no meio de tantos) em que não leio livro nenhum que tenha continuação sem que esteja na posse de todos os títulos, a ânsia de saber o que vai acontecer a seguir Sexto livro lido no âmbito do desafio #lerosnossos, idealizado pela @claudiaosimoes... Quando adquiri este livro (ainda com a capa de edição do prémio BOOK.IT 2012), já tinha um feeling que seria um livro com “pernas para andar”… Mas, depois descobri que era o primeiro livro de uma trilogia, e como tantos caprichos de leitora, tenho um (no meio de tantos) em que não leio livro nenhum que tenha continuação sem que esteja na posse de todos os títulos, a ânsia de saber o que vai acontecer a seguir e não perder o fio à meada, fez com que eu não o lesse de imediato… Quando saiu os restantes livros, o alarido foi tanto que quase perdi o entusiasmo, mas agora que a Célula Adormecida anda nas “bocas do povo”, decidi que já estava mais que na hora de conhecer o que o autor tinha para me oferecer… Na contracapa deste livro lê-se “O Espião Português é um thriller intenso e sofisticado…”, foi esta a frase que logo chamou a minha atenção, mas depois fico apreensiva, nessa mesma frase existe uma palavra (ESPIONAGEM) que me faz duvidar se vou gostar desta trilogia… Detesto livros, filmes, qualquer coisa que me transporte a ligações de espionagem, ler situações aparatosas, que antemão já sabemos que o protagonista por mais mal tratado que fique vai escapar da situação com vida e continuar ileso, faz-me sentir que estou a perder o meu tempo… Por isso fiquei bastante contente e satisfeita quando o autor conseguiu com que eu ficasse agarrada há leitura e com vontade de saber mais sobre o André. André Marques Smith é espião numa organização internacional (Cadmo) que responde directamente ao governo, para tentar “encobrir” esta sua actividade (conhecida só pelos seus pais e irmã) André também desempenha funções no ministério dos negócios estrangeiros de Portugal, os pais de André também desempenharem funções na Cadmo. A vida de André tinha tudo para correr bem, mas de um momento para o outro vê-se envolvido no mais profundo caos, parceiros da Cadmo que ele julgava conhecer, vão demonstrar o contrário, um antigo amor continua a pairar sobre a sua vida, o trabalho no MNE está em risco e acima de tudo, aquilo que ele sempre considerou as suas raízes, vão cair por terra e levá-lo ao pior dos pesadelos… E é assim que termino, este Espião Português, na mais profunda vontade de saber como André vai continuar a sua aventura e o que mais irá surgir… Sem dúvida o livro lê-se num ápice e o autor conseguiu com que este espião me fizesse ficar completamente vidrada na sua leitura, mas mesmo assim não conseguiu fazer com que o meu estigma pela espionagem diminuísse… Vou sem dúvida ler em breve o segundo volume porque quero desesperadamente saber o que vai acontecer e que mais aventuras vai ocorrer ao nosso Freelancer… Excertos: “ Está sentado, apoiado com as mãos sobre o edredão, os ombros encolhidos e os pés no ar, a um palmo do chão. O que é que têm os quartos de «solteiro», que nos fazem ficar assim, perdidos no nada, por tempo indefinido a o olhar para o vazio?” “Hum, tem piada. Às vezes, parece que quanto mais tentamos passar despercebidos e passar pela vida de forma discreta e privada, mais os outros reparam em nós. E quando mete assuntos de alcova, então aí, o interesse não conhece limites.”

  13. 4 out of 5

    Elisa Santos

    Opinião no blogue http://amiudageek.blogspot.pt/2016/12... Opinião no blogue http://amiudageek.blogspot.pt/2016/12...

  14. 4 out of 5

    Inês Montenegro

    Várias vezes barafustei contra a publicidade enganosa, tendo-o feito ainda recentemente: neste livro, não tenho razão para tal. Tudo nele, desde a sinopse à capa, tenta o leitor com acção e mistério, a sua leitura de facto oferecendo ambas, e ainda um travo de drama. A vida de André parece desenrolar-se a três níveis: o do emprego no Ministério, o de espião, e o pessoal, onde abarca as relações familiares, amorosas e de amizade, preenchendo-lhe de tal modo o tempo que até admira o rapaz conseguir Várias vezes barafustei contra a publicidade enganosa, tendo-o feito ainda recentemente: neste livro, não tenho razão para tal. Tudo nele, desde a sinopse à capa, tenta o leitor com acção e mistério, a sua leitura de facto oferecendo ambas, e ainda um travo de drama. A vida de André parece desenrolar-se a três níveis: o do emprego no Ministério, o de espião, e o pessoal, onde abarca as relações familiares, amorosas e de amizade, preenchendo-lhe de tal modo o tempo que até admira o rapaz conseguir respirar. Tudo se interliga com a aproximação do final, e apesar da previsibilidade de alguns dos twists, a maior parte consegue manter a atenção do leitor, despertando-lhe a curiosidade, inclusive no desfecho, que apesar de deslindar o mistério em torno do nascimento de André, deixa ainda questões em aberto para um segundo volume. Opinião completa em: https://booktalesblog.wordpress.com/2...

  15. 5 out of 5

    Inês | Livros e Papel

    Descobri este autor através da Goodreads. Um dos meus amigos na aplicação indicou o livro como "want to read" e eu fui logo pesquisar o livro porque não conhecia. Bastou ver qual o género de livro que era para ficar interessada e após ler a sinopse fiquei mesmo convencida a lê-lo. Este é o primeiro livro de uma trilogia, a trilogia Freelancer e foi-me oferecido pelos meus filhotes no dia da mãe. :) Gostei muito da história, o livro lê-se muito bem, uma escrita muito fluída, boas descrições sem ser Descobri este autor através da Goodreads. Um dos meus amigos na aplicação indicou o livro como "want to read" e eu fui logo pesquisar o livro porque não conhecia. Bastou ver qual o género de livro que era para ficar interessada e após ler a sinopse fiquei mesmo convencida a lê-lo. Este é o primeiro livro de uma trilogia, a trilogia Freelancer e foi-me oferecido pelos meus filhotes no dia da mãe. :) Gostei muito da história, o livro lê-se muito bem, uma escrita muito fluída, boas descrições sem serem demasiadas ou massudas e prendeu-me à história desde o início (sucesso garantido quando isso acontece!). Logo nos primeiros capítulos uma boa surpresa, a personagem principal André vive na minha cidade, Torres Vedras, num empreendimento que conheço bem e por isso as imagens na minha cabeça do local são muito reais. Foi uma coincidência engraçada! continua: http://livrosepapel.blogspot.pt/2017/...

  16. 5 out of 5

    Isabel Almeida (Os Livros Nossos)

    Crítica completa em http://oslivrosnossos.blogspot.pt/201... - blog Os Livros Nossos "(...) Adorei ! Uma prosa escrita revelando Ritmo trepidante, cenas de acção verdadeiramente cinematográficas, cenários de sonho, coragem, risco constante, uma vida dupla na qual encontramos duas vertentes - um agente secreto perspicaz e bem sucedido, e por outro lado, um homem sensível, humano com fragilidades, vitórias e derrotas, e que procura encontrar a estabilidade afectiva que lhe viu ser negada, quando ju Crítica completa em http://oslivrosnossos.blogspot.pt/201... - blog Os Livros Nossos "(...) Adorei ! Uma prosa escrita revelando Ritmo trepidante, cenas de acção verdadeiramente cinematográficas, cenários de sonho, coragem, risco constante, uma vida dupla na qual encontramos duas vertentes - um agente secreto perspicaz e bem sucedido, e por outro lado, um homem sensível, humano com fragilidades, vitórias e derrotas, e que procura encontrar a estabilidade afectiva que lhe viu ser negada, quando julgava estar no caminho certo. Muitas surpresas e twists ao virar de cada página, e ainda dando-nos a conhecer ou a revisitar locais fascinantes da Europa! Está de parabéns o autor Nuno Nepomuceno! E depois desta leitura, uma viagem a Viena entrou para a minha Wishlist de sonho!"

  17. 5 out of 5

    Carla Geraldes

    Depois de dois policiais "menos bons", esta escolha foi um tiro certeiro. Há já algum tempo que andava para o ler, mas não o tinha, e comprar na altura, estava fora de questão. Agora tive a oportunidade de o ler através de ebook e não me arrependo nem um bocadinho. Este foi daqueles livros que me conseguir prender e cativar desde a primeira página. Estou deserta que saia o segundo volume para continuar a acompanhar a vida de André, o espião português~es, e a sua simpática família. Depois de dois policiais "menos bons", esta escolha foi um tiro certeiro. Há já algum tempo que andava para o ler, mas não o tinha, e comprar na altura, estava fora de questão. Agora tive a oportunidade de o ler através de ebook e não me arrependo nem um bocadinho. Este foi daqueles livros que me conseguir prender e cativar desde a primeira página. Estou deserta que saia o segundo volume para continuar a acompanhar a vida de André, o espião português~es, e a sua simpática família.

  18. 4 out of 5

    Ana

    Muito embora este seja o livro de estreia do autor, só agora o li. Descobri Nuno Nepomuceno com "Pecados Santos" e desde essa altura virei uma leitora fiel. Adoro todos os seus livros, gosto da forma como descreve os personagens, os temas e a preocupação com a pesquisa exaustiva em relação aos acontecimentos verídicos. Pensei que este livro poderia ser um pouco menos elaborado por ter sido o primeiro, mas estava enganada, fiquei de imediato presa à leitura e mais uma vez fui surpreendida com o fi Muito embora este seja o livro de estreia do autor, só agora o li. Descobri Nuno Nepomuceno com "Pecados Santos" e desde essa altura virei uma leitora fiel. Adoro todos os seus livros, gosto da forma como descreve os personagens, os temas e a preocupação com a pesquisa exaustiva em relação aos acontecimentos verídicos. Pensei que este livro poderia ser um pouco menos elaborado por ter sido o primeiro, mas estava enganada, fiquei de imediato presa à leitura e mais uma vez fui surpreendida com o final.

  19. 5 out of 5

    Manuela Santos

    Desde o inicio do livro que tive muita curiosidade na leitura, não sei se por ter lido à pouco tempo um Grande Policial de um autor também português Bruno Franco opinião aqui (desculpe Nuno ter referido o Bruno) mas ao ter conhecimento deste livro pensei logo que seria mais uma Grande Aposta. Quero agradecer ao Nuno a gentileza que teve para comigo ao oferecer-me a leitura do seu “Espião”. Fiquei sensibilizada com a atitude do autor. Este livro deixou “marcas” J no Marcas. Como eu digo muitas veze Desde o inicio do livro que tive muita curiosidade na leitura, não sei se por ter lido à pouco tempo um Grande Policial de um autor também português Bruno Franco opinião aqui (desculpe Nuno ter referido o Bruno) mas ao ter conhecimento deste livro pensei logo que seria mais uma Grande Aposta. Quero agradecer ao Nuno a gentileza que teve para comigo ao oferecer-me a leitura do seu “Espião”. Fiquei sensibilizada com a atitude do autor. Este livro deixou “marcas” J no Marcas. Como eu digo muitas vezes, temos de dar valor ao que é nacional, porque há por aí muito autor excepcional. Um livro de leitura fácil, fluida, compulsiva, frenética e entusiasmante, com uma história com uma ligação, empolgante, plena de acção, suspense, emoção e mistério. Os personagens e o enredo muito bem estruturados. Mais uma vez o género espionagem e conspiração, oferece-me uma leitura aprazível e de bem-estar. Logo nas primeiras páginas fiquei rendida á escrita e à precisão com que o autor descreve os detalhes e as descrições com que nos brinda. Dei por mim a ler de seguida 153 páginas, mas a letra do livro também ajuda à leitura. O Espião Português é a história de dupla identidade do protagonista principal, que se divide entre o “Freelancer” agente secreto da Cadmo (organização de espionagem semigovernamental para a qual trabalhava confidencialmente) e o André Marques-Smith, um jovem director do Gabinete de Informação e Imprensa do Ministério dos Negócios Estrangeiros. A forma com que o autor nos descreve o trabalho e a vida do André está muito bem estruturada, e o desenrolar da vida de André nos últimos seis meses é excelente. André cresceu no meio de uma família de diplomatas e espiões. Todos o apoiam e amam, mas será uma vida verdadeira, a deste jovem que se divide em dois? Quem será realmente André Marques-Smith? Adorei o André filho de um francês e de uma portuguesa e com um avô americano, “mas que misturas!” “E se toda a sua vida não passar de uma mentira?” A maneira como muda de cenário, é maravilhoso, perigoso e enérgico, muitas foram as surpresas com que me deparei nestas 372 páginas. Quando pensava que a história se ficava por ali, o Nuno com a sua mestria dá a volta à acção e faz-nos penetrar novamente dentro da narrativa. Esta história é passada em várias cidades da Europa, incluindo a nossa Lisboa, e em todas elas as descrições são feitas ao pormenor, nota-se uma investigação e pesquisa bem elaboradas por parte do autor. O ritmo alucinante com que o autor descreve as “vidas” de André, a sua vida pessoal, o seu trabalho do dia a dia e os seus disfarces, faz com que percebamos que muitas das coisas por que está a passar, poderão ser oriundas do seu passado. Uma narrativa que mexe com os nossos sentimentos mais profundos de satisfação e insatisfação, de sofrimento e de alegria. Onde tudo pode quebrar a qualquer momento, como se fosse feito de vidro, à excepção do seu cachorro Kimi que lhe é fiel. Fico a aguardar com ansiedade o 2º volume do “Espião Português”, porque o final deste livro a isso obriga. “E decide viver.” Recomendo o autor pela imaginação, engenho e criatividade de todo o enredo. Um livro extraordinário, interessante, enérgico e com uma vertente de acção, mistério e suspense que recomendo a todos os leitores. Com o Dia do Pai a aproximar-se, - filhos ofereçam aos vossos pais o “Espião Português” de Nuno Nepomuceno eles vão adorar ler este romance imprevisível e actual. Os meus parabéns ao Nuno Nepomuceno e à Topbooks por ter apostado num autor nacional com um talento excepcional ao nível do internacional. Gostei bastante.

  20. 4 out of 5

    Encruzilhadas Literárias

    3,8 Já há muito que adiava a leitura de "O Espião Português", de Nuno Nepomuceno. Tinha curiosidade em lê-lo, até porque o ganhei há uns anos num passatempo e tive a oportunidade de conhecer o autor na Feira do Livro de Lisboa na mesma altura. Com a saída do "A Espia do Oriente" para o mercado no passado mês, tive o empurrãozinho que faltava para pegar nele. "O Espião Português" surpreendeu-me pela positiva, não só pela frescura e equilíbrio da narrativa, mas por estar a ler um livro ditamente com 3,8 Já há muito que adiava a leitura de "O Espião Português", de Nuno Nepomuceno. Tinha curiosidade em lê-lo, até porque o ganhei há uns anos num passatempo e tive a oportunidade de conhecer o autor na Feira do Livro de Lisboa na mesma altura. Com a saída do "A Espia do Oriente" para o mercado no passado mês, tive o empurrãozinho que faltava para pegar nele. "O Espião Português" surpreendeu-me pela positiva, não só pela frescura e equilíbrio da narrativa, mas por estar a ler um livro ditamente comercial e bem escrito, sem qualquer tentativa de almejo de um lirismo português em exagero. É um livro que existe para ser lido com gosto, curiosidade e envolvimento mas também com o intuito de descontrair o/a leitor/a e tornar um momento o mais aprazível possível. Tratando-se de um livro de espionagem, não poderia faltar um ritmo acelerado, surpresas constantes, acções repentinas e também uma dose de romance (e neste campo o autor garantiu que iria primar pela diferença). André não é uma personificação do típico herói que geralmente surge neste género literário. De facto, é totalmente o oposto, sem o ser na totalidade. Parece confuso, mas não é. A análise da obra não é feita sob a leitura da fachada do espião, mas do seu humano complexo, emotivo, danificado por acontecimentos transformadores do passado mas também do seu lado corajoso e em parte destemido. Com André habituamo-nos a não ver uma figura robotizada e pronta a entrar em acção em qualquer circunstância, mas um jogo constante de valores, interesses, responsabilidades e sensibilidades que tomam forma com bastante genuinidade. Ainda assim, julgo que por vezes o autor possa ter pecado um pouco pelo excesso neste contexto, uma vez que embora acompanhando as suas missões e os desafios inerentes ao cargo, que surgem constantemente ao longo da narrativa, nem sempre consegui encarar esta personagem principal como o que em última esta representava: um espião, um português com vida dupla paralalelamente à laia de um organismo governamental e de uma instituição internacional oculta. Por esse motivo, o balanço com os aspectos mais pessoais e característicos da personagem transpiraram para as restantes páginas, especialmente na sua relação com familiares e amigos, o que atribuiu à acção alguma densidade e um conteúdo bastante surpreendente; especialmente relativamente a um grande segredo fechado a sete chaves até quase ao fim. Gostei da leveza de Sara, apreciei respectivamente o jeito protector do pai e a proactividade doce da mãe de André, assim como as aventuras dos amigos casmurros e daqueles que proventura não se revelaram o inicialmente esperado. Tenho algumas questões com uma certa leveza na abordagem do mundo da espionagem, que terei certamente possibilidade de abordar diretamente com o autor para não vos dar nenhum spoiler, não pela ausência de detalhes e minuciosidade, mas pela forma como foram apresentadas ao longo do livro. Gostei especialmente que a acção intricada tivesse deixado algumas questões por serem resolvidas no ar, espicaçando a curiosidade do leitor para o próximo lançamento, volume no qual estou desejosa de colocar as mãos e iniciar a leitura. "O Espião Português" soube colocar o/a leitor/a a ansiar por mais, e é mais um autor português no qual vale a pena apostar - Cláudia

  21. 4 out of 5

    Maria João (A Biblioteca da João)

    8,5 de 10* Depois de ter lido inúmeras opiniões sobre este livro, algumas muito boas outras nem por isso, e de ter lido a sinopse, a minha curiosidade ficou espicaçada. Mas partir para a leitura de um livro sem expectativas é, de facto, o melhor e trás-nos belas surpresas. No início do livro, achei a história simples e pouco interessante, mas à medida que o livro avançou e que as reviravoltas foram surgindo, fui ficando cada vez mais empolgada, até ao final, que adorei! Comentário completo em: http 8,5 de 10* Depois de ter lido inúmeras opiniões sobre este livro, algumas muito boas outras nem por isso, e de ter lido a sinopse, a minha curiosidade ficou espicaçada. Mas partir para a leitura de um livro sem expectativas é, de facto, o melhor e trás-nos belas surpresas. No início do livro, achei a história simples e pouco interessante, mas à medida que o livro avançou e que as reviravoltas foram surgindo, fui ficando cada vez mais empolgada, até ao final, que adorei! Comentário completo em: http://abibliotecadajoao.blogspot.pt/...

  22. 4 out of 5

    Xana

    Se pudesse daria 3,5*, recaiu para as 4 porque não me custou mesmo nada lê -lo. Gostei muito da escrita do autor, fluída, nada cansativa. Uma agradável surpresa. Adorei o André, a personalidade dele cativou-me e gostei mesmo muito das reviravoltas da história. Fico ansiosa pelo próximo ;) Aconselho sem reservas...

  23. 4 out of 5

    Roberta Frontini (Blogue FLAMES)

    Na minha opinião, este livro só teria terminado melhor se, em vez de Salerno, tivesse acabado na Sicilia ;) :p Fabuloso.. frenético.. perfeito! Do início ao fim, deixou-me pegada a ele! Preciso do próximo livro, com URGÊNCIA!

  24. 4 out of 5

    Vasco

    Este final... está incrível. A forma como o autor organizou o desfecho desta narrativa, ou, deste primeiro livro, deixou-me simplesmente sem palavras. Este é sem dúvida um dos meus livros preferidos. Um livro que eu recomendarei a toda a gente. Simplesmente incrível. Brevemente, opinião em vídeo.

  25. 4 out of 5

    Sofia Teixeira

    3.5 -> Após contacto do autor Nuno Nepomuceno tornou-se inevitável não só entrevistá-lo como ler a sua obra (que o Nuno amavelmente me enviou devidamente autografada). A entrevista podem lê-la neste link e quanto ao livro, bem, tenho de confessar que fiquei agradavelmente surpreendida! Já sabia que sendo vencedor do prémio book.it e sendo editado pela ASA seria de esperar alguma qualidade, mas o que é certo é que superou as minhas expectativas. O Espião Português apresenta-nos André Marques-Smit 3.5 -> Após contacto do autor Nuno Nepomuceno tornou-se inevitável não só entrevistá-lo como ler a sua obra (que o Nuno amavelmente me enviou devidamente autografada). A entrevista podem lê-la neste link e quanto ao livro, bem, tenho de confessar que fiquei agradavelmente surpreendida! Já sabia que sendo vencedor do prémio book.it e sendo editado pela ASA seria de esperar alguma qualidade, mas o que é certo é que superou as minhas expectativas. O Espião Português apresenta-nos André Marques-Smith, também conhecido como Freelancer, um agente da Cadmo e que ao  mesmo tempo trabalha para o Ministério dos Negócios Estrangeiros. Sendo desde muito novo um prodígio no que toca às suas capacidades físicas e intelectuais e vindo de uma família de espiões, não foi novidade quando o convidaram para ingressar na vida de agente duplo. O problema surge quando uma situação de resolução aparentemente simples desencadeia um trilho de traição, desconfiança e mágoa. Nem tudo o que parece é e Freelancer vai aprender isso de forma bastante dolorosa. O enredo de Nuno Nepomuceno é diversificado e com personagens de personalidades bastante distintas. Basicamente a história centra-se em André, no seu passado, no seu presente e de como será o seu futuro. A todo o instante cada acção dele pode mudar o curso dos acontecimentos. A descrição que o autor nos faz deste protagonista é detalhada e, diria até, bastante sensual e atractiva. André é uma espécie de ideal masculino no que toca ao físico. Pena o seu destino estar intrinsecamente ligado a um grande mistério que acaba por fazê-lo sentir condenado. A história tem muita acção e suspense, mas penso que este último poderia ter sido mais prolongado em certas alturas. A escrita parece-me bastante característica e já com um traço de personalidade do próprio autor. Ao início estranhei um pouco as frases constantemente curtas, mas acabou por dar o seu toque de je ne se quois. Penso que para obra de estreia, Nuno Nepomuceno mostra um bom potencial e só posso esperar para acompanhar a sua evolução nos próximos dois volumes. Gostei.

  26. 4 out of 5

    Carla

    Apesar dos livros de espionagem não se tratarem de um dos meus géneros literários preferidos, certo é que, apesar de não dispor de muito tempo livre para ler e de ter de me levantar cedo para trabalhar, dei por mim, noite dentro, até um pouco depois das duas da manhã, a ler o "O Espião Português", pois o escritor conseguiu prender a minha atenção e curiosidade com as constantes peripécias profissionais e pessoais do protagonista, André Marques-Smith, deixando no final de cada capítulo uma frase Apesar dos livros de espionagem não se tratarem de um dos meus géneros literários preferidos, certo é que, apesar de não dispor de muito tempo livre para ler e de ter de me levantar cedo para trabalhar, dei por mim, noite dentro, até um pouco depois das duas da manhã, a ler o "O Espião Português", pois o escritor conseguiu prender a minha atenção e curiosidade com as constantes peripécias profissionais e pessoais do protagonista, André Marques-Smith, deixando no final de cada capítulo uma frase ou um acontecimento que me punham em suspenso sobre o que viria a seguir. Além disso, o autor, ao usar a técnica de recuar no passado ou avançar para o futuro, regressando sempre ao presente, soube cativar o meu interesse no desenrolar da história, porque sentia que algo de importante poderia suceder a qualquer momento. Gostei também de me imaginar a viajar por Estocolmo, Roma, Londres e Viena e a percorrer as ruas, praças, hotéis, palácios e bibliotecas destas cidades, que, de forma tão real, vão sendo descritas aos leitores durante a narrativa. Mas do que mais gostei foi mesmo das personagens, em especial do espião português que, longe de ser um agente implacável, frio e inacessível, se tratava de um ser humano sensível, emotivo, com fragilidades, que nem sempre conseguia lidar da melhor maneira com os problemas que tinha de enfrentar, bem como com quem o rodeava (a família, os amigos, o chefe e os colegas de trabalho), porque, contrariamente a outros espiões de outros livros, aquele possuía as suas vulnerabilidades e a sua visão do mundo não era definitivamente a "preto e branco". Vou, sem dúvida, ler os outros dois livros que o escritor Nuno Nepomuceno escreveu posteriormente sobre as aventuras e desventuras desta personagem.

  27. 5 out of 5

    Sara

    André, um jovem e bom rapaz, é responsável pelo Gabinete de Informação e Impresa do Ministério dos Negócios Estrangeiros, apenas com 28 anos, sendo que lá trabalha desde os 24. Por trás desta vida normal, André é Freelancer, agente secreto da Cadmo, agência de espionagem que age através da política mundial. Tem em mãos uma missão muito importante, que sem ele saber, poderá mudar a sua vida. Este é uma primeira obra do autor, vencedor da primeira edição do Prémio Literário Book.It que premeia a mel André, um jovem e bom rapaz, é responsável pelo Gabinete de Informação e Impresa do Ministério dos Negócios Estrangeiros, apenas com 28 anos, sendo que lá trabalha desde os 24. Por trás desta vida normal, André é Freelancer, agente secreto da Cadmo, agência de espionagem que age através da política mundial. Tem em mãos uma missão muito importante, que sem ele saber, poderá mudar a sua vida. Este é uma primeira obra do autor, vencedor da primeira edição do Prémio Literário Book.It que premeia a melhor história de entre várias obras de autores nunca publicados. Por isso ao ler este livro, o espírito de crítica tem de ser diferente, temos de olhar para ele como a primeira obra, como o primeiro reconhecimento. Nuno Nepomuceno, como autor tem muito por onde crescer. Este é um bom primeiro trabalho mas está envolto em muitos clichés. Mas positivamente, em volta desses clichés há muita matéria interessante e original que poderão dar uma excelente continuação. A premissa de um agente secreto que trabalha camuflado por um Ministério é muito interessante e para além disso permite-nos entrar noutro mundo, o mundo da política, que normalmente não é abordado nos policiais. Não gostei, e foi das primeiras coisas que me fez mais "confusão", do facto de o autor estar sempre a dar atenção à altura das personagens, não conseguindo descrever alguém fisicamente sem dizer quanto media. Acho isso desnecessário, até porque é possível descrever alguém sem estar a enumerar alturas e alturas não definem ninguém. No entanto, acho que este primeiro volume tem muito por onde explorar, cabendo ao autor surpreender o leitor. André é uma personagem interessante, que mistura profissionalismo, humanidade, genialidade e independência, capaz de agradar a muitos leitores.

  28. 5 out of 5

    Cristina | Books, less beer & a baby Gaspar

    Esta foi a minha primeira leitura do autor. Conheci-o ao ouvir/ler as opiniões do mais recente livro dele, a Célula adormecida, que entrou imediatamente na wishlist! Mas como o livro não estava disponível na minha biblioteca local, comecei a ler o Espião Português :) Adorei, adorei. É uma mistura de Missão impossível, tuga, cheia de acção, com espírito de Macgyver. Gostei bastante e quero continuar a ler a Trilogia Freelancer! A minha opinião em vídeo --> https://www.youtube.com/watch?v=WomYH... Esta foi a minha primeira leitura do autor. Conheci-o ao ouvir/ler as opiniões do mais recente livro dele, a Célula adormecida, que entrou imediatamente na wishlist! Mas como o livro não estava disponível na minha biblioteca local, comecei a ler o Espião Português :) Adorei, adorei. É uma mistura de Missão impossível, tuga, cheia de acção, com espírito de Macgyver. Gostei bastante e quero continuar a ler a Trilogia Freelancer! A minha opinião em vídeo --> https://www.youtube.com/watch?v=WomYH...

  29. 5 out of 5

    Soraia Pereira

    "...Muito resumidamente, adorei ter ganho o livro, gostei da história em si e estou curiosa para descobrir que segredos, mistérios e acção terá o autor Nuno Nepomuceno reservado não só para o André, o nosso espião de serviço, mas para todo o elenco que faz parte desta trilogia..." OPINIÃO COMPLETA EM: http://soraiamspereira.blogspot.pt/ "...Muito resumidamente, adorei ter ganho o livro, gostei da história em si e estou curiosa para descobrir que segredos, mistérios e acção terá o autor Nuno Nepomuceno reservado não só para o André, o nosso espião de serviço, mas para todo o elenco que faz parte desta trilogia..." OPINIÃO COMPLETA EM: http://soraiamspereira.blogspot.pt/

  30. 4 out of 5

    Alípio Vieira Firmino

    Este livro tinha tudo para merecer 5 estrelas, passei 2 dias completamente "grudado" ao livro, contém uma excelente trama, uma óptima escrita e faz-nos ansiar sempre pelo próximo capítulo. Mas quanto a mim merecia um final melhor. É bom demais para ter um desfecho daqueles, daí o meu descontentamento e a atribuição das 4 estrelas. Este livro tinha tudo para merecer 5 estrelas, passei 2 dias completamente "grudado" ao livro, contém uma excelente trama, uma óptima escrita e faz-nos ansiar sempre pelo próximo capítulo. Mas quanto a mim merecia um final melhor. É bom demais para ter um desfecho daqueles, daí o meu descontentamento e a atribuição das 4 estrelas.

Add a review

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Loading...
We use cookies to give you the best online experience. By using our website you agree to our use of cookies in accordance with our cookie policy.